sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Simplicidade.

Os princípios de simplicidade podem ser considerados dois: 

A parsimónia ontológica ou lamina de occam, que diz que as entidades não devem ser multiplicadas para além do necessário. 

E o principio de elegância ou lei da ecónomia que diz que entre explicações igualmente satisfatórias, a mais simples é provavelmente a correcta.

Embora pareçam semelhantes, uma é muito mais especifica e concreta que a outra. A lamina de occam é mais especifica e por isso mais fácil de compreender lógicamente. Que não devemos acrescentar entidades extra ao que é explicado sem as introduzir - é lógico. Se se mostrar que não pode ser explicado sem essas entidades, então temos que elas já não são desnesseçárias.

A lei da economia parece uma generalização da lamina de occam em termos mais latos. Mas não se consegue deduzir em termos lógicos da anterior. A razão pela qual ela é tão fecunda ainda não encontrou uma demonstração lógica completa. Existem no entanto várias tentativas que penso que nenhuma pode ser considerada definitiva. Por enquanto tem de ser considerada verdadeira por demonstração empírica. Quase sempre se verifica que a explicação mais simples era a correta. Em casos de policia, em diagnósticos médicos, em teorias ciêntificas, etc.

Estes são dos tais princípios filosóficos da ciência. São partilhados entre as duas se considerarmos limites estanques entre elas. Ou se estiverem de acordo comigo, são principios daquela area que é das duas, em que elas se fundem.

Conhecemos a simplicidade na filosofia, originalmente, não por William de Ockham mas sim por Aristoteles. Ele foi o primeiro que pôs um principio de simplicidade no papel. E tinha razão. 

Centenas de anos depois, Einstein formulava assim a simplicidade na ciência: "uma teoria deve ser tão simples como possível, mas não mais que isso". Dizia mesmo que se houvesse alguma coisa semelhante a fé na ciência era a busca da simplicidade.

Em senso comum existe a versão dos anglo-saxonicos que usam a sigla K.I.S.S. (Keep It Simple Stupid) que é um pouco insultuosa, mas fácil de memorizar.

Para saber mais sugiro a Standford Encyclopedia of Filosophy que me serviu de bibliografia para este post. Aqui:

http://plato.stanford.edu/entries/simplicity/

Enviar um comentário