segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Espetar agulhas ajuda a melhorar a eficiência dos opiáceos. Que mais se segue?

Os defensores da acupunctura não se deixaram convencer quando testes após testes, a acupuntura foi sendo apagada pela sua rival "Sham". Em resposta, dizem, que as duas funcionam. Mas a "sham" foi um método engenhoso desenvolvido para fingir que se esta a fazer acupunctura. As agulhas não espetam. Tem ponta retrátil e cola em alguns casos, feita em pontos diferentes dos tradicionais noutros, mas não é acupunctura. Só que o paciente não sabe. E não sabendo, não pode ser influenciado pela crença que tem no tratamento, aquando relata a sua melhora à dor. Que era o ultimo reduto de eficacia da acupunctura.

Os acupunctores reagiram dizendo que então as duas funcionam. Quando um placebo é mais eficás que o fármaco ou procedimento a ser estudado, em ciência, conclui-se que o novo produto não funciona. Mas no mundo das medicinas alternativas, esse universo alternativo existente nas fantasias de alguns, conclui-se que funcionam as duas. Bravo. E descobrimos uma nova medicina.

E no estudo que eu vou criticar hoje, o autor propoe mesmo que se passe a considerar sempre que o placebo funciona. Certo. Mas será que não dá para perceber que o placebo é um efeito inexpecifico? Que o que se procura tem mesmo de ser algo que faça mais do que o placebo? Porque placebos há muitos. Dos outros é que há poucos. E o efeito placebo é muito limitado. E o outro não tanto. Sobretudo quando temos em conta que tudo tem efeito placebo, ou pode ter, se se acreditar minimanente na medicina, alternativa ou não. E que tal um chocolate quente?

Mas esta questão não é nova. O que é novo no estudo com que me deparei hoje, foi a alegação que a acupuntura melhorava a acção de outro fármaco. Bravo outra vez. O tal tratamento milenar afinal só serve para complementar tratamentos quimicos mais recentes? É isso que nos querem impingir?

Mas na minha opinião nem essa conclusão é correcta.

O que se verificou foi que entre a Sham e a real, não houve diferenças na dor relatada, mas por Tomografia por emissão de positrões, foi concluido que os que receberam a verdadeira acupunctura tinham mais receptores de opioides activos que os outros. O que torna o cérebro mais sensivel aos opiodes, potencialmente aumentando o efeito de qualquer opiacio administrado. O que não foi feito. O estudo conclui uma coisa para a qual não foi desenhado. O erro é crasso. Mas adiante.

Outro erro que pode explicar esta situação é que as agulhas foram deixadas espetadas nos pacientes recebendo a real e não na Sham. Isto devia ter sido evitado, deviam ser virtualemente identicas. Porque a unica conclusão logica a tirarassim é que deixar agulhas espetadas muito tempo aumenta os receptores de opioides em relação a elas serem tiradas imediatamente.

E se querem a minha opinião, se isso acontece é porque causa algum desconforto e dor. E se vamos dar opiacios não temos de espetar agulhas, não vá o paciente ser hemofilico.

Esta aqui o estudo que critico:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19501658?ordinalpos=2&itool=EntrezSystem2.PEntrez.Pubmed.Pubmed_ResultsPanel.Pubmed_DefaultReportPanel.Pubmed_RVDocSum

Uma noticia dele aqui:

http://latimesblogs.latimes.com/booster_shots/2009/08/acupuncture-boosts-effects-of-painkillers-whether-natural-or-prescription.html

Uma critica mais elaborada que a minha pode ser encontrada aqui:

http://www.sciencebasedmedicine.org/?p=733

Enviar um comentário