sábado, 5 de setembro de 2009

Sobre a Auto-hemoterapia.

Através de uma dica da Fernanda Poleto do Bála Mágica (1), fiquei a conhecer mais uma pseudo-medicina, que por cá não parece ter grande penetração no mercado, mas no Brasil tem uma quantidade enorme de seguidores. Por isso, é uma questão de tempo até haver aí tasquitas a vender o tratamento de tudo e mais alguma coisa através da auto-transfusão. 

O blogue que a Fernanda me indicou, o .42*,  está a receber uma grande quantidade respostas desagradáveis  por ter feito um post a criticar a auto-hemoterapia. Há insultos, ameaças, mas poucos (ou nenhuns) links para artigos decentes. Na realidade já vai em dois post. Do primeiro cito esta parte: (AHT = auto-hemoterapia)

"E essa tal de AHT serve para o quê?
Segundo Luiz Moura, proeminente proponente da precitada prática; para tudo (incluindo câncer e HIV)! 
Segundo a Ciência Médica, para nada!

Entre centenas de anos de melhoria, milhares de estudos e milhões de profissionais pesquisadores e um indivíduo, aposto sempre no primeiro grupo.
Quer revolucionar a medicina? Prove."

E é isso mesmo. A AHT é a prática de tirar 5 a 20ml de sangue circulante e injecta-lo no musculo. Não há suporte cientifico para tal practica para tratar uma unica doença, muito menos ser a panaceia universal que se propõe ser. A lista de doenças para as quais os proponentes dizem que a sua milagrosa terapia tem indicação é enorme. Nem vale a pena começar. 

Segundo, quem faz alegações e afirmações novas é que tem o onús da prova. Porque? Precisamente como ele diz. Se não tinhamos uma revolução cientifica a cada dois dias. Não é demais nunca repetir que afirmações extraordinárias, requerem provas extraordinárias.

Para varias as provas apresentadas pelos comentadores são anedóticas, histórinhas pessoais ou de alguém conhecido que é suposto nós acreditemos pelo valor facial. Nada de amostras grandes, com dupla ocultação. 

É sempre o mesmo padrão. Evidencia anedótica, apelo à credulidade, insulto aos criticos da prática por estes exigirem provas (com normal recurso a teoria da conspiração), e apelo à ignorancia (ao tentar inverter o ónus da prova.

Fiz uma pequena pesquisa sobre hemoterapia onde passei por vários sites de proponentes. Um deles, intitulado "Institute of Cience" (2) apoia as suas afirmações em trabalhos publicados para la dos 50 anos. Os mais recentes são de 88 e 92. O artigo de 88 é publicado pela AAAS pacific division mas é um estudo não randomizado, não controlado e sem ocultação acerca de 40 pacientes com Malária. O artigo de 1992 é publicado numa revista cuja tradução é "Hipoteses Médicas". Certo.

Porque é importante ter o trabalho de escrever sobre estas coisas? Porque quando vamos ao médico não queremos andar a fazer de cobais pois não? É melhor que a nossa saúde seja tratada com a sofisticação que merece, usando o melhor que o conhecimento humano permitiu saber. É que se é para fazer de cobaia, então que avisem. Existem protocolos para isso. E antes de chegar a um ser humano uma nova terapia têm de passar por um filtro muito severo. 

Notas e referências:

(1) http://bala-magica.blogspot.com/Obrigado pela dica.

(2)http://www.angelfire.com/ca/instituteofscience/hebibnew.html - Esta é a pagina da bibliografia, mas tem ligação de volta para o artigo onde eles explicam detalhadamente as suas teorias.

* O Blogue " .42" e o artigo de nome "Auto-hemoterapia e a medicina medieval de mãoes dadas":

http://scienceblogs.com.br/uoleo/2009/08/auto-hemoterapia_e_a_medicina.php

Vale a pena ver o segundo post sobre o assunto também:

http://scienceblogs.com.br/uoleo/2009/09/auto-hemoterapia_e_a_ignoranci.php

Enviar um comentário