terça-feira, 1 de setembro de 2009

A complexidade redutivel da máquina molecular mitocondriana...

...Ou mais um pontapé bem aviado no criacionismo e no designio inteligente.

A complexidade irredutivel é um conceito inventado por Behe para tentar convencer o mundo de que havia coisas que não fazia sentido terem uma versão mais simples, como o olho, por exemplo.

Se isso fosse verdade, um olho um pouco pior não teria vantagem nenhuma, ou mesmo um rudimento de olho, tambem não serviria para nada. Mas parece que não é verdade. Qualquer capacidade para percepcionar luz, desde sombras a imagens, é vantajosa.

Mas o olho, não era o unico exemplo de complexidade irredutivel. Outro era a maquinaria da mitocondria. Uma maquinaria molecular que se se tirasse uma peça, nada funcionava.

O que este estudo vem demonstrar é que as peças já estava feitas antes. Diz assim:

"As mitocondrias derivam de um simbionte (alfa)-protobacteriano e nós identificámos numa (alfa)-protobactéria as partes componentes da maquina molecular de transporte de proteinas da mitocondria"

e mais à frente:

"relativamente poucas mutações serão precisas para convertera sua função para maquinaria de transporte de proteinas."

Ou seja, lá se vai a complexidade irredutivel.

O abstract está aqui:

http://www.pnas.org/content/early/2009/08/25/0908264106.abstract

Eu tive conhecimento do artigo através do Twitter do Luiz Bento do Discutindo Ecologia que me levou a este blog, onde se pode ler mais em português e esta muito bom:

http://scienceblogs.com.br/rnam/2009/08/criacionistas_perdem_mais_um_r.php
Enviar um comentário