quarta-feira, 17 de abril de 2013

Um erro numa formula de EXCEL levou a uma visão demasiado positiva sobre a austeridade.

Um trabalho de economistas de Harvard que tem sido usado para justificar as medidas de austeridade foi recentemente criticado pela descoberta de erros ao nivel das formulas usadas ( e também por alguns outros aspectos menos transparentes).

Ao que parece a origem dos erros nas formulas é o programa Excel da Microsoft. Mas isso não devia desculpar a situação.

Porque um aspecto a salientar aqui, e algo que é de extrema importancia é:

- Este trabalho não passou por peer-review!!!!

Nao sendo um trabalho de divulgação baseado em outros e sendo sobre algo tão importante, é dificilmente desculpável.

A revisão por pares faz parte do método cientifico. E quando é feita pré-publicação, por revisores da area sob anonimato, é quando funciona melhor. Assim tivemos de esperar mais até o erro ser descoberto. E quem sabe levar com mais austeridade. Afinal isto enfraquece bastante os argumentos dos austerófilos.

Corrigido o problema (esse e outros), os dados obtidos da gravidade do endividamento ( e que supostamente justificam a austeridade, outro ponto criticável), não são nem de perto tão graves como os obtidos com a formula errada, pelo menos nas dividas acima de 90% do GDP. Por exemplo, a divida nunca leva a valores negativos de crescimento.

São estas as diferenças:

Divida: 30%  crescimento (corrigido) 4,2%    (não corrigido) 4,1%
           30 a 60%                               3,1%                          2,8%
           60 a 90%                               3,2%                          2,8%
       mais de 90%                              2,2%                         -0,1%
       mais de 120 %                            1,6%                          ND

Em resposta a estas criticas os autores do estudo original notam que os valores são muito parecidos. E são. Excepto nos pontos criticos, que é o que nos importa.

Via Ars Technica,

"clickar" nos "links" acima fornecidos em hipertexto para ter acesso ao artigo original e reposta dos autores.

Enviar um comentário