quinta-feira, 4 de abril de 2013

A falácia do empreendedorismo

O empreendedorismo parece ser, segundo uma direita actual sem soluções melhores, a panaceia universal para os problemas da crise.

Não só a apresentam como solução para o futuro, como a apresentam como explicação para o facto de alguns passarem dificuldades - é porque não são empreendedores. Se fossem, insinuam, agora estavam a viver à grande.

Isto é uma falácia.

Porque isso pressupõe que as novas empresas são todas, ou em larga maioria, bem sucedidas. E que qualquer um pode fazer a empresa que quer. Isto não é assim. Não há recursos ilimitados à mão para cada um  pegar e começar a usar... Em nada. Nem humanos,  nem materiais.  Tudo já tem um dono algures ou pelo menos alguém que se porta como tal, em termos económicos. A não se que se nasça dono, o caminho para ultrapassar este problema é o endividamento. Quanto maior o projecto, maior a divida inicial. 

Ideias novas e garantidas também são raras. Ou inexistentes, já que à partida não parece ser possível sequer prever que "start ups" vão ser bem sucedidas no longo prazo. 

E depois vem o resto da questão:

A maioria das empresas que começam de novo, da mão dos tais empreendedores, falham. Pelo menos nos Estados Unidos, onde é sempre mais fácil conhecer a estatistica. Cá, tenho poucas razões para acreditar que será melhor. Portanto empreender não é uma solução para a maioria, mas sim apenas para muito, muito poucos. É como dizer: "Estão mal? Não faz mal, alguns de vocês vão conseguir esgatanhar-se e criar algo e é isso que importa. Depois os que ja têm uma data de massa podem comprar esse negócio e ficamos todos contentes. Os outros azar, olha, é a vida..."

Mas é precisamente soluções que não sejam apenas para um ou outro que procuramos. Se não mais vale dizer abertamente que o que importa é que alguns se safam e os outros que se danem - pelo menos podemos perceber onde se quer chegar. 

Como disse, e como era de esperar com taxas de sucesso tão baixas, não há uma formula conhecida,  para o sucesso. De facto, a sorte conta imenso. A inteligencia também, é verdade.   Mas que sentido há em dizer: "Vocês são pobres porque são burros. Sejam mais espertos e já podem ter mais hipoteses. E depois olha, mesmo assim espero que tenham muita sorte, já que vão precisar.". Duh! Parece-me claro que isto também não é solução. 

E por isso eu considero o apelo ao empreededorismo como exlicação para a pobreza ou como solução futura, uma falácia do ponto de vista politico. Porque é uma solução que vai ser viável apenas para poucos. Vai deixar, caso todos vão na conversa, uma maioria de gente endividada. 

Tem de haver outra solução que contar com o empreendedorismo individual. A não ser que aceitemos que o nosso objectivo não é combater a desigualdade e a pobreza. Mas isso é um disparate que ninguem quer assumir. Não é?


PS: Estou a falar do empreendedorismo tal como ele parece ser considerado actualmente e tal como é colocado em cima dos ombros dos individuos. Não como poderemos fazer evoluir o conceito. Deve haver alguma solução para esta falácia.

Bibliografia recomendada: Daniel Kahneman,  "Thinking, fast and slow"
Enviar um comentário