terça-feira, 16 de abril de 2013

Indicios da composição da matéria negra?

Sinais possíveis de detecção de WIMPs, (moléculas massivas fracamente interactivas), que são previstas teoricamente pela Supersimetria, uma extensão do Modelo Padrão muito popular entre quem percebe do assunto, emergiram num detector numa mina do Minessota (é numa mina para evitar ruido de outras colisões).

As WIMPS são lentas, frias, interagem fracamente com a matéria normal e nunca através de electromagnetismo, ou seja, não se vêem - são uma das possíveis composições da matéria negra.

Embora a estatistica da detecção seja desde já impressionante, com um elevado grau de confiança, os experts dizem que "ainda não se pode considerar ao nivel de uma descoberta".

Comprovar ou não a validade da Supersimetria é um assunto de extrema importancia na fisica teorica, já que tanta coisa é por ela explicada: Unifica a fisica de particulas com o espaço-tempo; é uma explicação para a matéria negra; resolve o problema da diferença de energia entre as forças fraca e gravitica, entre outras coisas.

Tentativas no LHC de validar a Supersimetria estão a sair completamente frustradas, pelo que alguns fisicos já falam na sua morte iminente (não do LHC mas da supersimetria). No entanto, ainda recentemente a sonda Planck trouxe mais dados que suportam a existencia da matéria negra, cuja constituição pode ser prevista pela supersimentria e este detector do Minessota, em Abril, parece ter assinalado 3 colisões. Mas não chega para provar nada, apesar de merecer ser noticia.

Existem ainda outras evidências da matéria negra, pelo que não está exactamente em causa a sua existencia, mas sim do que é feita e da realidade da supersimetria ou de alguma das suas variantes.



Artigo original aqui.

Update: resolvida ambiguidade entre a existencia e a constituição da matéria negra.
Enviar um comentário