quinta-feira, 4 de abril de 2013

Kalam x nada.

-O que é que faz dar um pontapé em nada?
-Nada.

-E multiplicar o nada por 2?
-Nada.

-E somar-lhe 2?
-Ficam os dois que já lá estavam.

-Então que lógica há em dizer que algo que actua sobre o nada o transforma em algo? Temos algum exemplo disso?
-Nenhuma. Nenhum.

- Então porque insistimos que algo tem de ter causado o universo "surgir do nada"? Nada, mas mesmo nada, se pode concluir ser capaz de causar que qualquer coisa venha do nada.

Ok - não estou a dizer que o nada a actuar sobre o nada é causa de algo. Estou a dizer que nada é causa de algo no nada. Certo?  Confuso?

Aliás, se calhar "nada" não existe. É um conceito que se refere apenas a... Nada.

Adiante. Proponho que se veja o video abaixo e tudo ficará mais claro:





E com isto o argumento de Kalam fica refutado. Suponho que teístas alegarão que por isso mesmo precisamos de Deus. Deus é capaz de fazer o impossível e logo criar algo a partir de nada. Deus é capaz de ser a sua própria causa. Etc. Tudo bem, cada um acredita no que quer - tem esse direito.  Mas isso quebra a racionalidade do argumento. Se aceitamos colocar algo que viola a lógica como solução, então porque apelar para a lógica em primeiro lugar? Se não nos preocupamos com a racionalidade, mais vale não nos preocuparmos com argumentos.

Suponho que a falácia de apelar para caso especial é uma tentação dificil de evitar. Ainda assim não estou a ver o que sobra do argumento de Kalam sem recorrer a ela.



http://www.youtube.com/watch?v=aD9MtIma5YU&feature=share
Enviar um comentário