quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O método cientifico

Sem querer fazer aqui uma entrada enciclopédica sobre o método científico ou sobre a definição de ciência, vou tentar deixar em linhas simples e o mais claras possíveis o que é a ciência e como funciona.

Portanto, o que é a ciência? O que a caracteriza?
Resposta curta: É o método científico.
O que é o método cientifico?
Resposta curta: É um método baseado na experiência sistemática.

Passo a passo:

1- Observação e caracterização do objecto de estudo. - Tentar reunir o máximo possível de informação sobre o assunto que queremos estudar, mantendo de fora o que não pertence a esse assunto. Pode demorar anos. Aliás pode demorar gerações.
2- Formulação de uma hipótese. – depois de reunida a maior quantidade de informação pertinente que nos foi possível, está na altura de por o cérebro a funcionar para imaginar uma solução que explique os dados observados. Podem ser precisos vários cérebros!
3- Experimentação. – Formulámos uma hipótese e agora a pergunta chave. Será que é verdade? Vamos fazer o “reality check”. Vamos ver se as coisas se passam como nós dizemos ou não. Se não, pode ser preciso começar tudo de novo.
4- Teorização.- Se a experiencia foi conclusiva e de acordo com a nossa hipótese essa hipótese começa a estar em condições de se chamar teoria. Essa teoria deverá permitir fazer previsões racionais e explicar o que já se conhece.

Cada um dos passos que eu referi tem os seus próprios sub-passos descritos e tipo de raciocínios implicados (dedução, lamina de occam, etc). Qualquer facto observável é passível de se submeter ao método. Mesmo fenómenos cuja ocorrência é muito baixa, ou seja, que acontecem raramente, são passíveis de se submeter ao método. Neste caso pedimos a ajuda de ferramentas matemáticas como a teoria da probabilidade e a estatística. Se um fenómeno não é observável pelos nossos sentidos podemos usar também outras ferramentas, como por exemplo microscópios, telescópios, aceleradores de partículas com detectores, etc… Adicionalmente o método é versatil. Existem na realidade varios métodos que são adaptações da ciencia à questão particular em estudo.
Sempre presente na ciência, e sem duvida um dos aspectos que também a caracterizam é a sua abertura à refutação. É preciso que tudo seja feito de modo que outros possam compreender e avaliar. E refutar ou sustentar conforme o caso.
5- Peer-review:
Um factor muito importante portanto é deixar escrito e arquivado o modo como colhemos as observações, como funcionam as nossas ferramentas e como as usamos, como foi testada a hipótese, etc. Tudo ao mais pequeno pormenor. Isto é mesmo muito importante porque quando chegamos ao passo 3 ou 4 as coisas ainda estão a começar. Chegou a altura do resto das pessoas que se dedicam ao estudo dos mesmos assuntos que nós - os nossos pares - esmiuçar completamente o nosso trabalho e tentar encontrar erros ou verificar, repetindo muitas vezes a experiencia, se estamos a dizer a verdade. Ou mesmo se fizemos a experiencia adequada!

Na prática as coisas funcionam assim: Se nos parece que esta tudo bem feitinho na nossa pesquisa, vamos tentar publicar na melhor revista da especialidade possível. Nessa altura o texto que descreve o nosso trabalho é submetido ao “peer-review”, a avaliação pelos pares. O "peer-review" faz parte do método. Pode surgir em qualquer fase do processo. Pode-se por exemplo querer publicar apenas observações. Continuando. Um júri da revista vai enviar o trabalho a um grupo de cientistas da nossa área de investigação e eles vão dar o seu melhor para tentarem evitar que o nosso trabalho seja publicado. Como a única maneira que têm de o fazer é encontrando erros, é a isso que se dedicam. Se passarmos no exame, então o texto será publicado. Mas agora toda a gente, em todo o mundo esta a ver o que nós fizémos e vai tentar ver por sua vez se é verdade. Muitos vão mesmo repetir as nossas experiencias, vão pegar na teoria e dizer “se isso é assim então tal deverá ser assado” e desenham novas experiencias para por a teoria que nos deu tanto trabalho a elaborar em causa.

Agora sim, depois disto tudo a nossa teoria terá passado a fazer parte do corpo de conhecimentos que representa a ciência. Uma tarefa difícil como se pode ver.
Outra caracteristica da ciencia é o facto de o corpo do conhecimento científico se poder e dever comportar como um puzzle em que as peças vão sendo apanhadas de varios sitios e se vão encaixando aos poucos. E ter uma nova peça a encaixar neste puzzle é motivo de grande orgulho. E para dizer a verdade uma peça que não encaixe também. Vai por uma data de gente a procurar onde está o problema.

Também se percebe por aqui que qualquer objecto de estudo novo é algo que os cientistas adoram. Não lhes passa pela cabeça deitar para o lixo algo que ainda não se conhece. É difícil ter a oportunidade de fazer uma grande contribuição científica. Nada como ir para onde ainda ninguém foi.

Continua a ser a melhor maneira possível de explicar o universo.
---------------------------------------------------
Nota: Segundo os filósofos da ciencia a resposta à questão "o que é a ciência" ainda está em aberto. Essa discussão está fora do ambito deste post. Dito isto, é obvio que este post é uma simplificação que espero seja util para compreender a ciencia. Existem muitas outras questões que podem ser levantadas, naturalmente. Por exemplo, de que o método não é rigido e toma aspectos muito variados conforme o caso. Ao ponto de não poder ser usado para definir a ciencia.
Sugestões e comentários são bem vindos.
Continuação sugerida - O Consenso Científico:
Ou para uma versão detalhada do método científico adaptada a ensaios clínicos farmacologicos:
Enviar um comentário