quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Climategate.

Gregor Mendel estudou 7 caracteristicas da ervilheira. Através de várias gerações, foi anotando os resultados e tirando conclusões. O seu trabalho, apesar de negligenciado durante décadas, é hoje considerado pioneiro na genética. Ainda assim, Mendel manipulou os resultados. Quase de certeza. Ele estudou 7 caracteristicas e a ervilheira tem 7 cromossomas. Estudou uma caracteristica por cromossoma e cada caracteristica pertence a um cromossoma. Não estudou duas caracteristicas que tivessem assentes no mesmo cromossoma. Se o tivesse feito, não teria podido escrever as leis da genética mendeliana. Porque a hereditariedade das carateristicas só é independente se estiverem em cromossomas diferentes. Se duas caracteristicas estiverem no mesmo cromossoma, naturalmente, são herdadas juntas. A não ser que haja "crossing over", mas isso é outra história. Qual era a probabilidade de ele, por sorte, ter escolhido exactamente as 7 caracteristicas da ervilheira que permitiam escrever a "2ª lei de mendel"? É aceite que a probabilidade é baixa. Ele deve ter feito batota. 

Isso esta errado. Mendel não terá ganho nada em "limpar" os seus dados para ter resultados mais conclusivos. Na altura ninguém quis saber de qualquer maneira, e passados estes anos, a importancia do trabalho dele é reconhecida, não por ele ter manipulado informação, mas apesar de ele ter manipulado informação. Poderá ter entendido que só ele poderia compreender o aparecimento de anomalias inexplicaveis à epoca. E previu corretamente muita coisa, como a meiose aquando da formação dos gametas, a existencia de alelos e de formas dominates, a existencia de uma unidade fisica da hereditariedade - a saber o gene, etc.

Esta longa introdução é porque eu vejo um paralelo com o "Climategate". 

O centro de investigação do clima do  Reino Unido, na sigla original, CRU, foi visitado por hackers que puseram em circulação uma data de emails e informação trocada entre alguns cientistas do clima. Existem indicios de que a altura em que essa informação foi libertada para o publico foi de proposito para ter o impacto máximo na cimeira de Copenhaga. Existem indicios de que os emails e informação libertada foram escolhidos - não existem emails, nem um, sobre informação que não seja sobre o clima.

Antes de prosseguir quero deixar aqui uma ressalva. Ou duas. Isto é um "post" de opinião e a minha opinião é baseada em uma série de fontes secundárias.  Mas tinha vontade de escrever sobre tudo o que li até este momento. E não li os emails (são imensas páginas de texto e informação). Apenas ja li dezenas de citações em sites dos ditos cépticos do clima, e as interpretações de uns e de outros.

O que eu vejo não é bonito.Parece-me que tenho de concordar que existem indicios de haver manipulação de informação, com os cientistas do clima a decidirem o que deve ser divulgado e como deve ser divulgado. Sem sombra de duvida existe uma rede social, estes emails provam isso. O que não provam, na minha opinião,  é que o aquecimento global antropogénico seja uma coisa inventada. Pelo contrário. Dá-me a entender que eles acreditam plenamente no que estão a fazer e que não querem ser mal interpretados. Dá-me a entender que têm medo dos caçadores de anomalias que procuram o inexplicado para confundir com o inexplicavel. E dá-me a entender que estão sob uma grande pressão. E fizeram asneiras. Mas que a porcaria do clima continua a aquecer, isso não me fez duvidar nem um bocadinho. 

Não existe nesses emails a prova da conspiração - já que eu li as citações selecionadas pelos cepticos, se aquilo é o pior que para lá há, mesmo fora de contexto, não provam nada. Chamar idiota ao Mckintire? Ameaçar que vão redefinir o peer-review?  Coisas deste genero parecem-me mais provas de fanfarronice que evidências de conspiração. 

Que tem de haver mais transparecia e um inquerito ao que pode ter ficado de fora e porquê, eu acho que sim. Se isso deve ser feito por tipos como o McIntire? Nem pensar.

A ciência climática recebe contribuições de cerca de 16.000 cientistas e instituições. Deve ser possivel entrar nesta rede social especifica e acabar com quaisquer abusos. E sim, manipular informação, ainda que para defender um bem maior, não é honesto. Não pode ser cientificamente aceite. Mas para mim é facil de falar...

Mas o que dizem está errado? Não, a ciência de base mentem-se de pé.  Fica bastante fora destas coisas:

O clima esta a aquecer, o CO2 aquece o planeta, nós produzimos muito CO2, nós aquecemos o planeta. E é essa a mensagem que diversos orgões de informação e comunicação social, em varios países, decidiram publicar hoje em unisono nos seus editoriais. Ver por exemplo o Guardian.

Voltando a Mendel, acho que eles, tal como Mendel, quiseram eliminar o ruído para aumentar o sinal. Mas não fabricaram dados. Deixaram sair apenas aqueles dados de que se conseguiam extrair conclusões para as quais já havia explicação. 

E fizeram-no porque tinham informação suficiente para saber que estavam na direcção certa. Mas isso é errado na mesma e eu acho que ninguem ganhou nada com isso. Nem eles próprios. 

Estou no entanto convencido, que tal como no caso de Mendel,  boa ciência foi produzida entre algumas asneiras que não me parecem transversais a todo o percurso.  E feitas as contas, existe um fundo de verdade na urgência e na importancia de conseguir ter conclusões  que toda a gente compreenda.

Eliminar as duvidas e as anomalias foi um erro em todo o caso. As coisas podiam ter sido mais bem feitas. 

Estes são os meus pensamentos actuais sobre o assunto.  Considero por estas razões que isto está  longe de ser a tal conspiração e fabricação de dados e escandalo que os cepticos apregoam. Pelo menos com a informação actual.

Quem me acusar de dar uma no cravo e outra na ferradura, à boa maneira portuguesa, assumo já a culpa. É errado e desonesto mentir. Não digo que se justifica. Mas estou plenamente convencido que não mentiram acerca do mais importante.

Enviar um comentário