segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Não, legitimar a treta é mesmo má ideia.


Para o bem da sociedade e para a sua capacidade de produção, desenvolvimento etc, precisamos aprender e ensinar as coisas que estão mais bem justificadas.

E essas não são aquelas que são justificadas com o apelo à popularidade.

Sao aquelas que satisfazem outros critérios epistemológicos.

E para pagar o ensino do bolso de todos, para o bem comum, temos de escolher muito bem o que ensinamos. Quem quiser ensinar outras coisas tem de o fazer sozinho, é essa a liberdade, mas o que é pertinente e  importante acerca do mundo empirico é o que nos diz a ciencia.

Portarmo-nos como se não houvesse recursos limitados ou como se o conhecimento fosse todo igualmente verdadeiro, é um disparate. Os resultados das nossas acções são diferentes conforme o que fazemos e há coisas que dão mais resultados que outras. E os recursos são mesmo bastante limitados. Quer para outras coisas, quer para ensinar seja o que for.

É esse o erro de achar que devemos entregar os curriculos escolares à obra de leigos e pseudocientistas. É o desastre para todos, de recursos desperdiçados, quer humanos, quer materiais.

E isto sem contar com os danos de base, e de profundo atraso civilizacional que é propor que se a ciência errou no passado, é porque as suas afirmações são tão boas como as outras todas que passem pela cabeça de qualquer um.

A liberdade do crente nos dragões não é de ver dragologia ensinada na faculdade, secundário, ou regulada pelo estado. A discussão sobre essas coisas deve ser entregues a especialistas das areas afins. A liberdade do crente nos dragões é a de acreditar nisso e ninguém lhe querer mal por isso.

E isto todos concordamos até termos um capricho qualquer que quermos impor aos outros e dizemos que afinal também é assim - que a ciência já errou no passado por isso temos de aceitar que pode estar a errar agora, que a jsutificação racional não é assim tão importante, etc.

A liberdade do crente nas crianças indigo e nos dragões é o de ser respeitado enquanto pessoa, mas esse respeito não é estensivel à crença. Isto é, ele pode acreditar e defender o que pensa. Mas tem de aceitar ser contestado, criticado e ver a sua crença não ser aprovada nem respeitada pelos outros.

Além disso, a liberdade da escolha na asneira é uma pseudoliberdade. Na realidade é uma limitação, a opção não é real, é apenas realidade percepcionada.

Temos de fazer esforços colectivos para ver o que funciona e não funciona. E a ciência, com todas as suas falhas é o que ainda funciona melhor. É a melhor aposta a cada momento.

Neste quadro de liberdade pessoal vs liberdade da ideia, da existencia de consensos de especialistas cientificos , de recursos limitados e da necessidade de fazer o melhor possivel com o que temos, não há argumento convincente para que o estado sancione coisas que por tudo o que podemos estabelecer cientificamente, está errado.

Até porque se formos por aí, e não tendo todos recursos para estar o tempo todo a par de tudo o que é treta e não é, um dia somos nós a cair na esparrela.

Calro que toda a gente tem o direito a ser pouco inteligente e ignorante. Mas só por isso não têm o direito de dizer aos outros o que se deve ensinar na escola, que deve ser considerado real, e o que tem de ser pago pelo bolso de todos.

Até porque pseudociencias há muitas. Vamos escolher como?

Sinceramente o que vejo é estes argumentos (do Desidério Murcho, filósofo profissional),  a favor de legitimar a treta a aproximarem-se cada vez mais do relativismo. Afinal para defender isto lá tem de vir a menção que a ciencia se engana o que neste contexto sugere a leitura: a ciencia engana-se, logo tudo é permitido e tem de ser permitido. Fazer o melhor que podemos é cientismo.

Quando a verdade é que mesmo enganando-se, para a esmagadora maioria das pessoas racionais, se consegue mostrar que para cada momento, a melhor explicação é a da ciência. E isso faz este mundo de diferença desde a revolução cientifica.

Ou então desistam dos computadores, telemoveis, carros, e cada vez que tiverem doentes digam que é saúde já que vale tudo.

Este post pertence ao grupo de discussão de regular as medicinas alternativas:

(por ordem dos mais recentes para os mais antigos, incluido um do Ludwig Kripphal)

http://ktreta.blogspot.pt/2012/12/factos-valores-e-raciocinio-parte-1.html
http://www.cronicadaciencia.blogspot.pt/2012/12/liberdade-por-conhecimento-ou-por.html
http://cronicadaciencia.blogspot.pt/2012/11/nao-e-cientificismo-precisamos-mesmo-da.html
http://cronicadaciencia.blogspot.pt/2012/11/drama-e-argumentos-homeopaticos.html
Enviar um comentário