terça-feira, 23 de outubro de 2012

Desemprego e Paz.

Quando as coisas correm bem, os jovens arranjam emprego, casam-se, têm filhos, tomam conta deles, progridem na carreira, etc.

Sem emprego, os jovens ficam com muito tempo livre mas muito pouco para fazer. Ao principio.

Sobretudo os jovens do sexo masculino podem formar "gangs", grupos com regras próprias e normalmente um código de honra exagerado... E metem-se em sarilhos. Na realidade estarão muitas vezes a tentar mostrar aos seus pares o seu valor. Não têm familias que os "prendam" nem responsabilidades que os obriguem a uma vida pacata e tornam-se um perigo, inclusivé para eles próprios. Não têm muito a perder e sentem-se dispostos a correr riscos.

Lutam por lugares na hierarquia, seguem lideres dúvidosos e estão sugeitos a acreditar em promessas aparentemente grandiosas de quem arranjar uma causa para lutar e um bode espiatório.

Como disse, jovens com emprego tendem a criar familias. Trabalham e não se querem meter em sarilhos pois têm objectivos de muito longo prazo. Podem até participar em manifestações, mas de um modo geral são pacificos.

Nesse aspecto a religião católica tem razão. O casamento é muito importante para a sociedade, tão importante como o emprego. E nesse aspecto o Islamismo está completamente errado. Uns poucos de homens ficam com as mulheres todas e depois o resultado está-se a ver. Felizmente o capitalismo sexual por cá acabou.

Mas sobra o outro. Os capitalistas agora não querem investir, têm medo de não ter rendimentos do dinheiro que puserem em circulação e guardam-no bem guardadinho. Sem crecimento económico forte, sem nova riqueza a ser produzida, o dinheiro em circulação diminui e sem investimento ainda mais. Não há dinheiro para sustentar e criar novos e velhos postos de trabalho.

E o desemprego entre os jovens aumenta em toda a europa. De uma europa aliás, cujos países, têm todos sérias dividas ao dito capital.

Mas voltando ao tema, altos niveis de desemprego entre os jovens são pois, uma causa conhecida de violencia. É algo cuja dimensão destrutiva ultrapassa largamente o aspecto pessoal já de si algo a combater.

É preciso encontrar maneira de criar postos de trabalho com urgência. Mais fatores complicam ainda mais o cenário - o envelhecimento da população e o risco do colapso do sistema de reformas.

A comissão europeia tem razão quando diz que a democracia pode estar em causa. Os riscos não são negligenciaveis.

A unica solução que se me aparece é que os ricos têm de pagar a crise. Enquanto o problema for financeiro não se justifica desperdiçar estas vidas todas. E temos de ir buscar o dinheiro onde ele está.

Até porque perguiça está longe de ser a causa e estes jovens são a geração mais bem formada de sempre, segundo consta.

PS: É óbvio (ou espero que seja) que me estou a referir a tendências e a estereótipos que podem nada ter a ver com pessoas singulares.

Suporte cientifico:

Ler o extraordinario "Better Angels of Our Nature" do Stephen Pinker para bibliografia e aprender mais.
Enviar um comentário