quarta-feira, 28 de julho de 2010

Alterações Climaticas, Impactos Futuros e Escolhas entre Alvos de Estabilização

O aquecimento global devido à emissão de gases com efeito de estufa pode ser estimado em relação às suas implicações ambientais grau a grau.

Por cada grau que a temperatura média global aumenta temos aproximadamente:

- 5 a 10% de alteração da precipitação em várias regiões (5 a 10% a menos no mediterraneo)
- 3 a 10% de aumentos em chuvadas fortes
- 5 a 15% de redução nas colheitas agrícolas
- cerca de 15% e 25% de diminuição do gelo no artico - média anual e Setembro, respectivamente

Em patamares especificos podemos acrescentar:

Se o aquecimento médio global chegar a  3ºC  podemos esperar que 9 em 10 verões sejam extremamente quentes em quase todas as regiões.
Se o aquecimeto médio chegar a 4ºC podemos esperar todos os verões excepcionalmente quentes em todas as regiões. ( excepcionalmente quente definido como sendo equivalente ao segundo mais quente dos ultimos 20 anos para uma dada região)

 Mais 200% a 400% de vida selvagem ardida para aumenteos de 1 a 2 graus em regiões da America do Norte.

Alterações do Ph dos oceanos com alteração da temperatura entre 1,5 a 3ºC com consequente perda de recife de coral.

Entre o 1º e 3ºC de aquecimento a subida de 0,5 a 1 metro do nivel do mar em 2100, colocando em risco mais 5 a 200 milhões de pessoas e diminuindo a superficie de terra firme em 250.000 Km quadrados (Portugal tem 92.000 Km quadrados).

Em relação à concentração de CO2 na atmosfera (ou equivalente em outros gases de efeito de estufa) temos que :

Estabilizado em:
430 ppm - 2ºC
540 ppm - 3ºC
670 ppm - 4ºC
840 ppm - 5ºC
(previsões para este seculo)

As alterações de temperatura irão ser a causa indireta, através por exemplo da diminuição da pluviosidade anual, de muitas outras alterações ainda dificeis de quantificar. Como por exemplo:

-aumento de pragas
- variações na distribuição de doenças e dos seus vectores.
- aumento das zonas com pouco oxigenio.
- alterações em outras formas de vida dependente dos recifes de coral
- maior necessidade de ar condicionado no verão e aquecimento no inverno - custos energeticos.

Por fim a nota de que para estabilizar a concentração de CO2 na atmosfera é preciso emitir menos que aquele que é fixado pelo planeta. Em comparação com as emissões actuais, para que se produza apenas a quantidade de CO2 que é fixada, é preciso reduzir as emissões em 80%.

Reduções menores que 80% não levam a uma estabilização da concentração de CO2 porque continuará a ser produzido mais que aquele que é "consumido" naturalmente.

Agora é preciso fazer escolhas. Que aquecimento é toleravel? O que esperamos para o ambiente no futuro? O que é plausível?

Estas estimativas são o melhor que se pode saber. Não querer tomar decisões baseado nelas é irracional.

fonte:

"Stabilization targets for atmosferic greehouse concentrations"; NAP - http://www.nap.edu/catalog/12877.html

8 comentários:

master atheist disse...

Por cada grau que a temperatura média global aumenta temos aproximadamente:
esta quantificação surge como?
alteração haverá, obviamente maior evaporação e precipitação

- 5 a 10% de alteração da precipitação em várias regiões (5 a 10% a menos no mediterraneo)
- 3 a 10% de aumentos em chuvadas fortes
- 5 a 15% de redução nas colheitas agrícolas
porquê há efeitos positivos maior concentração como se faz hoje em estufas levará a maior taxa de fixação fotossintética na maioria das plantas
alargamento dos limites térmicos dos cereais para norte
alteração das práticas agrícolas no corn belt e na bacia mediterrânica é uma incógnita

- cerca de 15% e 25% de diminuição do gelo no artico - média anual e Setembro, respectivamente....

Em patamares especificos podemos acrescentar:

Se o aquecimento médio global chegar a 3ºC podemos esperar que 9 em 10 verões sejam extremamente quentes em quase todas as regiões??
porquê?

Se o aquecimeto médio chegar a 4ºC podemos esperar todos os verões excepcionalmente quentes em todas as regiões. ( excepcionalmente quente definido como sendo equivalente ao segundo mais quente dos ultimos 20 anos para uma dada região)

Mais 200% a 400% de vida selvagem ardida ?
para aumenteos de 1 a 2 graus em regiões da America do Norte.

Alterações do Ph dos oceanos com alteração da temperatura entre 1,5 a 3ºC com consequente perda de recife de coral....
geológicamente o ph oceânico não se alterou significativamente mesmo para variações maiores de temperatura
extinção dos corais já aconteceu várias vezes é provável

Entre o 1º e 3ºC de aquecimento a subida de 0,5 a 1 metro do nivel do mar em 2100, colocando em risco mais 5 a 200 milhões de pessoas e diminuindo a superficie de terra firme em 250.000 Km quadrados (Portugal tem 92.000 Km quadrados).

Em relação à concentração de CO2 na atmosfera (ou equivalente em outros gases de efeito de estufa) temos que :

Estabilizado em:
430 ppm - 2ºC
540 ppm - 3ºC
670 ppm - 4ºC
840 ppm - 5ºC
(previsões para este seculo)

As alterações de temperatura irão ser a causa indireta, através por exemplo da diminuição da pluviosidade anual, de muitas outras alterações ainda dificeis de quantificar. Como por exemplo:

-aumento de pragas
- variações na distribuição de doenças e dos seus vectores.
- aumento das zonas com pouco oxigenio.
- alterações em outras formas de vida dependente dos recifes de coral
- maior necessidade de ar condicionado no verão e aquecimento no inverno - custos energeticos.

Por fim a nota de que para estabilizar a concentração de CO2 na atmosfera é preciso emitir menos que aquele que é fixado pelo planeta. Em comparação com as emissões actuais, para que se produza apenas a quantidade de CO2 que é fixada, é preciso reduzir as emissões em 80%.

Reduções menores que 80% não levam a uma estabilização da concentração de CO2 porque continuará a ser produzido mais que aquele que é "consumido" naturalmente

e este final é o que falta maior
consubstanciação
desde 1860 que mais de 1 bilião
(uma gigatone por ano são injectadas pelo homem 3 desde o início do século XX, talvez seja da ordem das 10 gigas
logo redução para 2 com que
critério?

master atheist disse...

és engenheiro mecânico electrotécnico
agrícola como a joaninha não és
se és do IST
serias agrónomo do braço do I.S.Agronomia
há falta de algum fundamento aqui?
há...
e eu até sou a favor à tua linha de raciocínio...
mas...

Joao
Acho que a verdade é muito mais complicada do que aquilo que parece, por isso fico lixado quando aparecem tipos a deturpar as coisas.
Ver o meu perfil completo

master atheist disse...

outras alterações ainda dificeis de quantificar
de acordo...
Como por exemplo:

-aumento de pragas...temperaturas afectarão taxas de reprodução e sobrevivência
nalgumas "positivamente" pine beetle
USA e presentemente canadá
outros negativamente
os locustídeos já parecem ser afectados
de doenças provavelmente
- variações na distribuição de doenças e dos seus vectores.
- aumento das zonas com pouco oxigenio?????

- alterações em outras formas de vida dependente dos recifes de coral...obvio
- maior necessidade de ar condicionado no verão e aquecimento no inverno - custos energeticos...o teu amigo barba provavelmente podia-te dar indicações sobre isto
adaptações estruturais nas adaptações evitariam esses luxos

anos 40 Portugal teve extremos climáticos, pode-se voltar a viver de forma mais simples
quer-se viver assim, óbvio que não...
eu conheço muita gente com rendimentos muito acima da média que não possuem luxos como LCD de um metro, ar condicionado, aquecimento central
um desperdício energético num país como o nosso

Joao disse...

MAster:

Lê o link se estas interessado. São 200 paginas que mesmo assim deixam muito por explicar, mas que responde provavelemnte às tuas duvidas.

Podes sempre seguir as referencias deles para avaliar melhor as coisas.

DeusSemAteusAdeus disse...

pensava que vocemecê era o Engenheiro, só descobri agora que era o outro.
1º tenho vários ex-colegas desde a universidade de Lisboa, à de Évora à trinity college e na islândia que publicaram artigos
Já li milhares deles e já li parte do artigo e conheço as referências

Tenho um interesse pelo tema desde que era miúdo, quando ainda o paradigma do aquecimento não era aceite
o que eu discordo nestes artigos é o lançamento de cifras algumas baseadas em modelos matemáticos discutíveis outras nem isso.

DeusSemAteusAdeus disse...

há uns anos atrás anos de 1990 e 91
havia geofísicos e climatólogos a tentarem arrebanhar crentes, hoje o paradigma está estabelecido e pessoas que dantes lançavam catadupas de cálculos e cenários para apoiarem as suas teorias
simplificaram os seus procedimentos.
Ou vão à TV como o Pall Einerson
dizem que há adelgaçamento substancial dos glaciares, mas contrariamente ao que faziam em 95 não tornam públicos nem os dados em que se baseiam, nem os dos seus
alunos de doutoramento
há uma escassez tremenda de informação bem fundamentada

ou sou eu que não a sei procurar
vi artigos especializados
que partem dos pressupostos de outros artigos para fundamentarem as suas opiniões sem contra-provas
está-se a tornar uma religião com os seus dogmas é só isso
que é real?
tenho a certeza quase absoluta
como se vai manifestar?
só há palpites

Joao disse...

""que partem dos pressupostos de outros artigos para fundamentarem as suas opiniões sem contra-provas""

ha "provas" suficientes para satisfazer a comunidade cienifica que faz revisoes sistematicas destes trabalhos.

E sim, a ciencia é uma construção peça a peça, mas cada peça não é apenas especulação. São afirmações que são justificaadas dentro do conhecimento cientifico e que foram testadas empiricamente.

A teoria que diz que não ha aquecimento é que não possui qualquer forma de justficação, apelando apenas para o que "NÃO SE PODE SABER" ,etc.

O q se pode saber, o sentdo para onde as coisas aponatam, é este:
aqueciento goba e antropgenco e esaa mudar a Terra.

ava n'tesma disse...

Meu caro senhor eu não defendo
teorias, defendo a existência de quantificação dos fenómenos
A teoria que diz que não ha aquecimento ....não possui qualquer forma de justficação,
certo...não disputo o aquecimento
acelerado existente há cerca de 50
anos

O q se pode saber, o sentdo para onde as coisas aponatam, é este:
aqueciento goba e antropgenco e esaa mudar a Terra.....

Provável, mas com provas insuficientes quanto às mudanças.
e tornou-se uma moda, professores universitários publicam artigos sobre o assunto porque dá status...

mas falta-lhe quantificação e maior número de dados
por exemplo as correntes Kuro shivo e a Oya shivo tiveram um período de grande estudo nos anos 90 principalmente após o catastrófico el nino de 97
enquanto em termos globais o el nino tem sido seguido
as medições nas grandes correntes oceânicas, faz-se hoje apenas pontualmente
logo....é prematuro acreditar em tudo o que se publica
há muitos fundos, mas a investigação é ainda mais remendada que nos anos 80