quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Teorema de Godel e a mente.

Este post vem na sequência da entrada que escrevi sobre o Teorema de Godel(1).



Na wikipédia, na página sobre o mecanicismo (filosofia: os fenomenos naturais encontram a explicação no mundo físico) (2) e no capitulo sobre os argumentos godelianos acerca de mentes e máquinas, apresentam o seguinte excerto do GEB (3) como sendo anti-mecanicista e vindo de uma conhecido mecanicista. Não sei se é.


O excerto é o seguinte:


"Visto desta maneira, o teorema de Godel sugere - de modo nenhum prova! - que pode haver algum nível elevado de ver o cérebro/mente, envolvendo conceitos que não aparecem nos níveis inferiores, e que este nível alto terá poder explicativo que não existe - nem mesmo em princípio - nos níveis inferiores. Significaria que alguns factos poderiam ser explicados num nível elevado facilmente , mas não em níveis baixos , por mais longo e pesado que se esse argumento fosse criado nesse baixo-nível. É análogo ao facto que, se se fizer derivação após derivação em (aritmética de Peano), não importa quão longa e pesada ela se torne, nunca aparecerá uma afirmação godeliana G - apesar do facto de que num nível elevado, se pode ver que a afirmação de Godel é verdadeira. Que podem esses conceitos de alto nível ser? Tem sido proposto por eons (...) que a consciencia é um fenómeno que escapa a explicação em termos de componentes do cerebro; então aqui está um candidato finalmente. Também existe a questão sempre "puzzling" do livre-arbítrio. Então talvez estas qualidades possam ser emergentes no sentido de requerer explicações que não podem ser fornecidas pela fisiologia apenas." (Godel, Escher, Bach, p 708)



Eu queria ter verificado a citação no livro, do qual tenho a versão portuguesa mas ainda não tive tempo. Assumi para já que estava correcta. Também queria ver o desenvolvimento que Douglas Horfstader dá à questão no livro, uma vez que sei que o autor não defende nenhum tipo de dualismo mente/cérebro como sendo entidades distintas. Mas queria de qualquer modo fazer um comentário.



A minha interpretação é que quando ele diz "que não podem ser explicadas pela fisiologia apenas", não estava a excluir que fosse de qualquer modo baseada nesta. Ou seja, o sistema de alto nível teria sempre de ser suportado pela neurobiologia, embora não de um modo directo.

Seria a consequência da consequência da actividade dos neurónios e da interacção de uns com os outros em rede. Como ele diz, seria uma propriedade emergente.

Por exemplo, uma sequência de aminoácidos numa proteína não tem função enquanto a proteína não se enrolar e dobrar, o que acontece de acordo com as atracções entre os átomos de cada aminoácido da sequência. A função não surge da estrutura primária (a sequência simples dos aminoácidos) mas da terciária ou quaternária, isto é, da forma com que a molécula final ficou e de que grupos ficaram expostos e juntos no centro activo. A questão é tão complexa que só se consegue explicar o que uma proteína faz depois de a deixar dobrar-se.

Outra analogia que eu penso que é possível é com a programação procedural. Os objectos não são directamente programados mas emergem do processo de execução do programa.

Nesse sentido, será possível explicar a mente admitindo que algumas funções surgem do processo de outras mais básicas e da interacção entre estas, desde que a estrutura neurológica tenha a capacidade de suporte suficiente e adequada. É de resto curioso notar que é possível anatomicamente, fazer uma analogia das estruturas conhecidas do sistema nervoso central com sistemas sobre sistemas com complexidade crescente.

É de notar também que a complexidade da estrutura de "hardware" parece estar de facto envolvida. Porque cérebros existem em muitos animais, mas nem todos desenvolvem consciência. E mesmo no nosso cérebro parecem existir estruturas que pelo menos estão ligadas com o estado de conciencia.

Mas toda a questão ainda é especulativa, e como ele próprio diz - é uma sugestão que vem do teorema de Godel. Pareceu-me que é um bom "alimento para o pensamento".



Comentários e correcções são apreciados.
(1)http://cronicadaciencia.blogspot.com/2009/01/sobre-o-teorema-de-godel.html
(2)http://en.wikipedia.org/wiki/Mechanism_(philosophy)#G.C3.B6delian_arguments
(3)Godel, Escher e Bach de Douglas Hofstadter :http://en.wikipedia.org/wiki/G%C3%B6del,_Escher,_Bach
Enviar um comentário