segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Cães que mordem.

Os cães, de um modo geral, são animais que vivem em harmonia com o ser humano, trazendo beneficio para ambas as espécies. São inumeras as qualidades dos cães e não é isso que está em causa.

Existem casos de ataques por cães, uns mais graves que outros e isso não deve ser tolerável. Queremos animais pacificos e não animais agressivos.

Muitas vezes, a culpa pode ser atribuída às condições em que o cão vive ou a aspectos circunstânciais. Fome, medo, isolamento crónico, têm sido factores identificados como factores de risco em casos isolados.

Cães com uma educação e vivencia saudavel aprendem a inibir a dentada.

E o que nos interessa saber agora, é se para além, de toda a nossa boa vontade para com a espécie canina, há ou não há cães a que é possivel prever a agressividade, pela raça, por exemplo. Começar por negar só porque é a nossa intuição e porque gostamos de cães, pode não corresponder à verdade.

Sabemos que a agressividade é passivel de ser genéticamente selecionavel, logo tem uma forte componente hereditária.

Não será de que deviamos estar a fazer listas de ataques de cães por raça e por dano causado, como fazem os norte-americanos, antes de dizer que a culpa é disto ou daquilo? Não será que deviamos aprender com o que já há feito?

Uma coisa é certa, não podemos dizer que o problema é pequeno e fingir que não passa nada. Mata crianças. E adultos.

Deixo aqui 3 estudos para que tirem as vossas próprias conclusões. Deixo já um aviso sério. Há sobre-representação de determinadas raças. Coicidência? Talvez... Tudo pode sempre ser coicidência. Aldrabice? Pois, idem.

Mas porque não ver os numeros existem com atenção e depois julgar isso:

(1)http://journals.lww.com/annalsofsurgery/Abstract/2011/04000/Mortality,_Mauling,_and_Maiming_by_Vicious_Dogs.23.aspx

(2) http://www.dogbitelaw.com/images/pdf/Dog_Attacks_1982-2006_Clifton.pdf

Update: http://www.dogsbite.org/pdf/dog-attack-deaths-maimings-merritt-clifton-2011.pdf

(3)http://www.dogbitelaw.com/images/pdf/breeds-causing-DBRFs.pdf




3 comentários:

dnl disse...

Imagine 2 cães: um pitbull e um canixe.

Imagine que ambos atacam uma pessoa. Agora imagine as consequências.

Viu onde quero chegar? O facto de nas notícias só aparecerem casos de uma mão cheia de raças não significa que estes tem mais probabilidade de morder.

Diz antes que, QUANDO mordem causam muito mais danos do que outras raças.

E isto não está relacionado com a agressividade em si, mas sim com o físico de cada raça.

Joao C. disse...

Sim, se os danos não são graves não há entrada em hospitais como registado no primeiro estudo e não há noticia.

Mas não será a gravidade das lesões precisamente uma das coisas que leva a caracterizar um cão como perigoso?

E porque é que se temos imensas raças com vários tipos de porte, notavelmente várias do tipo de porte grande a médio-grande, logo aparecem as mesmas como origem de danos graves?


dnl disse...

Peço desculpa pela resposta tardia.

"Mas não será a gravidade das lesões precisamente uma das coisas que leva a caracterizar um cão como perigoso?"

Sem dúvida.
Mas é importante distinguir raça de cão.

O perigo que o animal apresenta não está dependente da raça, mas sim da educação.

Um pitbull mal treinado é mais perigoso do que um canixe mal treinado. Ambos concordamos com isto.

Mas a raça pitbull, enquanto tal, não é mais perigosa do que a raça canixe.

A lista de raças potencialmente perigosas designada na lei serve apenas para alimentar preconceitos.

Por exemplo, na Alemanha essa lista não existe.