terça-feira, 21 de junho de 2011

Era uma vez um oceano...

Há muitos milhares de anos houve um aquecimento rápido que causou a perda de muitas espécies nos oceanos.

Nessa altura, todos os anos foram bombeados para a atmosfera 2,2 Gigatoneladas de CO2. Isso terá acontecido num ciclo vicioso em que mais CO2 dá origem a maior temperatura e mais temperatura faz haver mais CO2 na atmosfera.

Mas no momento actual libertamos todos os anos 25 Gigatoneladas de CO2 para atmosfera. Isso coloca o anteriormente referido ciclo de retroalimentação positiva como uma brincadeira.

E como previsto, a velocidade com que estamos a aquecer não parece ter precedentes.

Aqui:

http://www.newscientist.com/article/dn20595-earths-oceans-on-course-for-mass-extinction.html

"the biggest problem is the rapid pace of climate change, which is "virtually unprecedented". The closest comparison is the Paleocene-Eocene Thermal Maximum of 55 million years ago, when 2.2 gigatonnes of carbon dioxide was released every year for millennia and many deep-sea species were wiped out. Today we release over 25 gigatonnes every year."

Os denialistas continuarão sem mudar de ideias. Primeiro era que não havia aquecimento, depois era que havia mas não podia ser devido ao CO2, agora parece dizem que até pode ser que o CO2 aqueça mas é só um bocadinho e até é bom.  Pois. Mas errado.

Esse bocadinho está a dar cabo das coisas que damos como certas para ter o ambiente que precisamos. Enquanto não souberem explicar convincentemente porque é que lançar CO2 para a atmosfera não é responsável pelo aquecimento verificado (e tudo o resto que estava previsto no pacote) não merecem mais respeito que qualquer outra teoria da conspiração. E quer me parecer que isso pode bem ser para sempre.
Enviar um comentário