quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O singular caso do Aloe vera

O Aloe vera é talvez o mais popular de todos os nomes da fitoterapia e medicinas naturais. Desde yogurtes a cremes de beleza, tratamento de queimaduras e cancro, ele está em todo o lado. E é das coisas que me é recomendada mais vezes pelos meus clientes, o que torna o assunto pessoal.

No entanto, não aparece assim tanto em medicamentos farmacológicos (dos que são subtidos a estudos de eficacia e toxicidade) ou em textos de medicina verdadeira.

Faltam de facto estudos cegos, randomisados e com placebo, para se poder aferir com rigor a eficacia do Aloe vera para as indicaçoes em que e vulgarmente referenciado. Ha sempre qualquer coisa que falta, ou não são randomizados ou não têm controle, etc. Esta não é só uma opinião minha, é a conclusão a que chegam os artigos de revisão que li no pubmed.

Uma pesquisa pelo pubmed, levou-me a crer que existem estudos suficientes para justificar aumentar a investigaçao do assunto. Ao contrario de muita outra coisa que para ai ha, existem de facto indicios fortes de que o Aloe vera possa ser fonte de principios activos funcionais e pouco toxicos.

Toxicidade existe e o unico estudo sistematico que encontrei foi realizado pela industria dos cosmeticos e apontava para doses letais 50 (DL50) dos extratos entre as 50 e 200mg/kg conforme a via, o que me parece um bocado alto. A dose letal 50 é a dose que é suficiente para matar 50% de uma população de estudo. Na pratica, no entanto, deve ser dificil atingir estas doses em pessoas, porque o numero de relatos de problemas relacionados com o Aloe vera é muito baixo embora inclua casos de extrema gravidade.

É dificil aconselhar o uso de algo que ainda não é bem conhecido. Aqui não tenho mesmo é dificuldade em dizer que vale a pena investigar mais.

Mas o que torna mesmo singular este caso é os artigos a sugerir eficacia virem do oriente, de onde veio até agora muito pouca evolução na medicina. Gostaria antes de mais nada de ver esses resultados de laboratório replicados no ocidente - ainda antes de passar a estudos de campo e ensaios clinicos. Não é discriminação, a reprodução de resultados é parte importante da ciencia e é igual para todos. Mas se quando vem de sitios que produziram muito poucos avanços cientificos é natural que seja ainda mais pertinente. Se é estranho... É um pouco. Talvez esteja enganado, na realidade não fiz uma abordagem sistemática à origem geografica mas... Não creio. E penso que há demasiados resultados promissores para ser apenas erro ou fraude.
Mas  pensar e achar não vale nada. Fazem mesmo falta é estudos cientificos .

Update: Um estudo do NTP - National Toxicology Program (USA), mostrou haver efeitos cancerisnos por via oral: http://www.newscientist.com/article/dn20365-aloe-vera-extract-gave-rats-tumours.html

Notas, referencias e ligações:

 Efeito nulo do Aloe Vera no ritmo cardiaco e pressão sanguinea:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21048211

Potencial photocarcinogenico aumenta com aplicação topica de produtos com Aloe Vera

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21031007

Previne o aparecimento de papilomas causados por um químico o DMBA:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20932247

Tratamento do liquen plano oral:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20923446

Propriedades

Eficacia contra coccidiose:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20723543

Para prisão de ventre:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20723249

Causador de Hepatite Toxica:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20191055

Produção de dentina:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20088703

Review dos artigos (promissor mas faltam estudos):

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19218914

Review (promissor mas faltam estudos):

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10885091

DL50 para Ratos e Ratinhos, referencia de uso em cosmética:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17613130


Eficácia do Aloe vera em queimaduras:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17499928
Enviar um comentário